sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Bayer amplia oferta e compra a Monsanto por US$ 66 bi

A companhia de produtos químicos e de saúde Bayer comprou a produtora de sementes americana Monsanto com uma oferta de 66 bilhões de dólares. O negócio foi fechado depois de a oferta ser elevada pela terceira vez. O preço acertado foi de 128 dólares por ação, acima da oferta anterior da Bayer, de 127,50 dólares por ação. Essa é a maior aquisição empresarial registrada em 2015 até o momento e também a mais elevada oferta em dinheiro já registrada.



O acordo criará uma empresa que dominará mais de um quarto do mercado mundial combinado para sementes e pesticidas em uma rápida consolidação da indústria de insumos agrícolas. No entanto, os órgãos antitruste poderão examinar o negócio minuciosamente, e alguns dos próprios acionistas da Bayer têm sido altamente críticos sobre a aquisição, apontando riscos sobre o alto pagamento e uma possível negligência com o negócio farmacêutico da empresa. A transação inclui o pagamento de uma multa de 2 bilhões de dólares a ser paga pela Bayer à Monsanto caso não haja autorizações regulatórias. A Bayer espera que o acordo seja concluído até o fim de 2017.

A consultoria Bernstein Research afirmou nesta terça-feira que vê chance de apenas 50% de o negócio conseguir autorizações regulatórias, embora tenha citado uma pesquisa feita com investidores que apontou a probabilidade de 70%. “Acreditamos que há políticas contrárias à realização desse negócio que vão desde a insatisfação de fazendeiros com todos os seus fornecedores consolidando em face de baixos rendimentos líquidos agrícolas à insatisfação com a Monsanto deixando os Estados Unidos, que poderia fornecer atrasos e complicações significativas”, disse a consultoria, em nota.


FONTE: Veja

Juristas pedem impeachment de Gilmar Mendes

Um Grupo de juristas e representantes da sociedade civil apresentaram hoje (13) no Senado um pedido de impeachment do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes. Os autores são os juristas Celso Antônio Bandeira de Mello, Fábio Konder Comparato, Sérgio Sérvulo da Cunha e Álvaro Augusto Ribeiro da Costa; a ativista de direitos humanos Eny Raymundo Moreira; e o ex-deputado e ex-presidente do PSB, Roberto Amaral.




No pedido, o grupo acusa o ministro de adotar "comportamento partidário", mostrando-se leniente com relação a casos de interesse do PSDB e "extremamente rigoroso" no julgamento de casos de interesse do PT e de seus filiados, "nomeadamente o ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, não escondendo sua simpatia por aqueles e sua ojeriza por estes".

Para os autores, o ministro tem ofendido a Constituição, a Lei Orgânica da Magistratura e o Código de Ética da Magistratura ao não atuar com imparcialidade e conceder frequentes entrevistas nas quais antecipa seus votos e discute o mérito de questões sob julgamento do STF. Além disso, eles acusam Mendes de atuar de maneira desrespeitosa também durante julgamentos e utilizar o cargo a favor dos interesses do grupo político que defende.




"O partidarismo do ministro denunciado chegou a extremos constrangedores quando do julgamento, pelo STF, da ADI 4.650-DF, interposta pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil para arguir a inconstitucionalidade das disposições legais que permitiam, nas eleições para cargos públicos, o financiamento por empresas privadas. Com a votação, a ADI praticamente decidida, o ministro requereu vistas dos autos [com o único objetivo, como ficou patente, de impedir a conclusão do julgamento] e com ele permaneceu durante longos 18 meses, frustrando a ação do STF", cita o documento.

O pedido de impeachment cita outros exemplos de situações em que o ministro teria faltado com o decoro e agido partidariamente, como quando fez "graves acusações à Procuradoria-Geral da República e aos procuradores de um modo geral" em razão de vazamentos de delações premiadas. E ainda quando criticou a Lei da Ficha Limpa, acusando seus autores de "bêbados". Na opinião dos autores, o ministro tenta atuar como legislador ao sugerir e reclamar mudanças na legislação eleitoral, na condição de presidente do Tribunal Superior Eleitoral, criticando leis que "lhe cumpre aplicar".


Testemunhas

A peça arrola como testemunhas o escritor Fernando Morais, a historiadora Isabel Lustosa, o jornalista e escritor José Carlos de Assis, o ex-deputado Aldo Arantes e o historiador e professor universitário Lincoln Penna e designa o ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Marcelo Lavenere, como advogado para acompanhar o processo no Senado Federal.

Como em outros casos, o pedido de impeachment segue para apreciação inicial do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Ele pode acatar, dando prosseguimento para que o Senado avalie a admissibilidade ou determinar o arquivamento da peça. Renan já recebeu pedido de impedimento de outros ministros do STF e do procurador-geral da República, e determinou o arquivamento de todos.


FONTE: Notícias Terra

CPI da Lei Rouanet vai chamar José de Abreu e Tico Santa Cruz

Além do ator José de Abreu, a CPI da Lei Rouanet quer convocar o cantor Tico Santa Cruz para explicar incentivo ao Detonautas.




FONTE: Estadão

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Médico troca atestado por voto em Arujá

Um vídeo gravado com celular flagrou o momento em que um médico dá um atestado em troca de voto para um candidato à Prefeitura de Arujá, na região metropolitana de São Paulo. O clínico geral ainda diz para a paciente que, caso o candidato seja eleito, ele seria nomeado secretário municipal de saúde da cidade. A gravação foi feita dentro de um consultório no pronto-socorro Parque Rodrigo Barreto, no Jardim Renata, na última sexta-feira (9).



No início do vídeo, a paciente diz que não vai votar em ninguém na eleição. O médico Nelson Lopes de Oliveira a interrompe dizendo que o candidato Doutor Luis Camargo (PSD) tem um compromisso com ele e que, caso seja eleito, o nomearia para a pasta. Após a sugestão, o médico entrega um ‘santinho” para a paciente e preenche um atestado de sete dias. O profissional atende pacientes no local durante três dias da semana.

A paciente que aparece no vídeo contou a ajuda de uma amiga para fazer a gravação. Segundo Maria*, de 46 anos, havia um boato na cidade de que o médico dava atestados de 15 dias para todos que prometiam votos ao candidato dele.

— Todo mundo falava isso, mas ninguém provava. Então, eu disse que ia provar.

Maria procurou atendimento alegando problemas no joelho decorrentes de uma queda. Após radiografia, o médico esclareceu que estava tudo bem com ela antes de sugerir o voto. A mulher, que está desempregada, disse ao médico que trabalhava com limpeza e queria descansar. No receituário, Lopes escreveu que ela tinha problemas na coluna e prescreveu sete dias afastada de suas funções

— Ele ainda disse que se eu precisasse, era só voltar que ele me daria outro [atestado].

Em nota, a Secretaria de Saúde de Arujá informou ter solicitado o imediato afastamento do médico. “A pasta já iniciou procedimento para instauração de sindicância a fim de apurar o ocorrido e tomar todas as providências cabíveis”.

Ainda de acordo com a secretaria, o médico é contratado da Cejam (Centro de Estudos e Pesquisas Doutor João Amorim), organização social que administra o pronto-socorro. Por fim, a pasta afirma que “a Prefeitura de Arujá repudia, com veemência, toda e qualquer iniciativa que busque induzir o usuário do serviço público a escolher seu candidato”.

Também em nota, o PSD (Partido Social Democrata) afirmou que a direção estadual do partido defende com rigor a legislação vigente e aguardará o esclarecimento da denúncia pela direção municipal de Arujá. Procurado, o candidato declarou que não conhece o médico Nelson Lopes de Oliveira.


FONTE: Portal R7

Diretor do FBI recomenda cobrir a câmera do laptop com fita adesiva

Lembra quando Mark Zuckerberg criou um pequeno furor por, sem querer, deixar o mundo saber que ele usa uma fita adesiva para cobrir a câmera do seu laptop? Bem, ele não é a única pessoa de interesse público a fazer isso. Nessa quarta-feira, 14, durante uma conferência no Centro para Estratégia e Estudos Internacionais do FBI, questionaram o diretor do órgão, James Comey, sobre antigas declarações em que ele afirmava fazer o mesmo que o CEO do Facebook. E a resposta foi um “claro que sim”.



“Você vai a um escritório governamental [e nota que] nós todos temos nossas pequenas câmeras na parte de cima da tela”, contou ele. “Todas elas têm uma tampinha que as mantêm fechadas; você faz isso para que pessoas sem autorização não te observem. Eu acho que é uma coisa boa.”

Segundo reporta o The Next Web, Comey ainda traçou paralelos para explicar por que não considera estranho cobrir as câmeras dos computadores, e disse que é “muito zoado” por ter esse tipo de preocupação: “Eu espero que as pessoas tranquem seus carros (…), tranquem suas portas à noite. Eu tenho um sistema de alarme. Se você tem um (…), deveria usá-lo, eu uso o meu. Não é loucura que o diretor do FBI também se preocupe com sua segurança pessoal.”


FONTE: Olhar Digital

Lula ficou 'um passo mais perto do abismo', diz 'El País'

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está "um passo mais perto do abismo" após a denúncia oferecida na quarta-feira pelo Ministério Público Federal (MPF) do Paraná, na descrição do jornal espanhol El País. O diário diz que os promotores lançaram contra ele "a acusação mais grave imaginável no atual panorama político brasileiro: ser o 'comandante máximo' do esquema de corrupção da Lava Jato".



Os promotores classificaram o petista como "comandante máximo", "maestro", "grande general" do megaesquema de corrupção que envolve a Petrobras e distribuição de cargos públicos, classificada pela promotoria com o neologismo "propinocracia" ou "um governo regido pela propina". A denúncia e suas repercussões para a carreira e a reputação do ex-presidente estão sendo amplamente noticiadas nesta quinta-feira pela imprensa internacional.


Acusações 'limitadas'

Para o jornal britânico The Guardian, "a queda de Lula, e do partido de esquerda que ele fundou em 1980, é dramática". O jornal lembra que sua sucessora no Planalto, Dilma Rousseff, foi impedida no fim do mês passado pelo Senado, encerrando 13 anos de governo petista. Já o americano New York Times diz que as "denúncias e acusações mais amplas representam um duro golpe" para Lula, "complicando suas ambições de retornar à Presidência".



Mas o jornal nota que as denúncias em si contra o ex-presidente são "muito mais limitadas" e que "a quantia de dinheiro que Lula é acusado de receber nas reformas do apartamento não é nada comparado ao que outros (políticos) foram acusados de receber nos últimos anos". Para o francês Le Monde, um dos efeitos destas acusações será dividir ainda mais "uma sociedade brasileira já rasgada pela polêmica destituição de Dilma Rousseff".

"Aos que consideram Lula como um 'bandido', opõe-se uma parte dos brasileiros que veem nessas acusações uma manobra para calar a esquerda", escreve o jornal.


FONTE: BBC Brasil

quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Terremoto de 6,1 graus abala Colômbia

Um terremoto de 6,1 graus na escala de magnitude sacudiu nesta terça-feira várias regiões da Colômbia, informou o Serviço Geológico nacional, sem que haja relato de vítimas. O tremor ocorreu às 20H58 local (22H58 Brasília) e teve seu epicentro situado na zona da localidade de Mutatá, departamento de Antioquia, no noroeste do país, segundo o Serviço Geológico.



De profundidade pequena, de menos de 30 km, o abalo foi sentido em diversas regiões do país, incluindo a capital, Bogotá. O governo de Antioquia informou no Twitter que "até o momento não há relatos de problemas" na região devido ao terremoto.


FONTE: UOL Notícias